O artigo acima identificado, aborda o caos do sistema tributários brasileiro, e, em especial, o fato da empresa Mineira de Varejo, ZEMA, ter errado no preenchimento de uma guia do ICMS em São Paulo, em 2011. Pagou duas vezes o  imposto do mês de Abril e não recolheu o de Julho.

Pediu a retificação em Fevereiro de 2014. A esta altura já estava inscrita no divida ativa do estado de São Paulo Um mês depois, a Fazenda Estadual, entendeu a confusão e corrigiu o lançamento. Todavia, o processo continua a correr na Procuradoria do Estado. Dois anos depois, já neste mês de Outubro corrente, foi bloqueada a importância de  R$ 1 milhão, referente exatamente a parcela de Julho de 2011. Para piorar a situação, a Secretaria da Fazenda, não cancelou a dívida porque a empresa não pediu. Não se sabe quando o dinheiro será liberado.
    Erros ou negligências, como o cometido acima, e seus respectivos prejuízos, são factíveis de serem indenizados pelo Seguro D&O,  na hipótese de ser o Executivo responsável pelo preenchimento das guias de recolhimento do imposto, acionado judicialmente por um sócio ou diretor da empresa, inclusive pelas “perdas financeiras” decorrentes destes erros. Não nos referimos à “prejuízos financeiro”, que tem uma conotação diferente, portanto excluído do seguro D&O.