Segundo reportagem do Jornal “VALOR” de sexta feira 21/10/2016, Caderno B4 –  Empresas – Indústria – MPF denuncia 21 pessoas no caso da Samarco – Jornal Folha de São Paulo – 21/10/2016 – Caderno B1 – Cotidiano  21 são acusados de homicídio pela tragédia de Marina –
    Ao lermos as reportagens acima mencionadas, podemos verificar,  ter o Ministério Público Federal, desconsiderado  a “personalidade jurídica” ( Samarco/VALE/BHP), e denunciado as “pessoas físicas“, os executivos da Samarco, e de um engenheiro da empresa de consultoria. As personalidades jurídicas, Samarco/VALE/BHP também, foram acusada de crime de inundação, desabamento e lesões corporais graves, todos com dolo eventual e por crime ambiental.
    Em todas as circunstâncias acima descritas, há seguros adequados para proteger tanto a pessoa jurídica, como as pessoas físicas.
    No caso da Samarco/VALE/BHP, deve ter sido contratada apólices de Seguro de Danos Ambientais e de Responsabilidade Civil, com importâncias seguradas compatíveis com os riscos das suas operações industriais. Para os Executivos, o Seguro de D&O, e para as empresas prestadoras de serviços o Seguro E&O – Responsabilidade Civil Profissional, cujas coberturas são para garantir os erros e omissões dos profissionais contratados pelas respectivas  prestadoras de serviços.   
    Como consultores de seguros, temos feito uma pregação no deserto. Ao abordamos os empresários  sobre a importância dos Seguros de Responsabilidade Civil Geral, D&O e E&O, na proteção dos interesses destes mesmos empresários e executivos, ouvimos sempre as mesmas considerações. Não corremos estes riscos amparados nas referidas apólices, não vamos gastar dinheiro com este tipo de seguro. Sempre entendemos que não se trata de custo, mas sim de um investimento na proteção do patrimônio destes mesmos empresários. Pois, só compra seguro, que tem algo a perder. Quem não tem nada, não precisa de seguro.